sexta-feira, 30 de maio de 2008

Corazon Partio

Hoje estou com esta música na cabeça.
Dedicada a todos a quem parti o coração e que me partiram o coração.
Mas especialmente para quem me curou o coração que estava partido para depois o partir em milhões de bocadinhos a seguir.



Tiritas pa’ este corazón partío
tiri-ti-tando de frío
tiritas pa’ este corazón partío
pa’ este corazón

Ya lo ves que no hay dos sin tres
que la vida va y viene y que no se detiene...
y, qué sé yo,
pero miénteme aunque sea, dime que algo queda
entre nosostros dos
que en tu habitación nunca sale el sol, ni existe el tiempo ni el dolor

Llévame si quieres a perder
a ningún destino sin ningún por qué

Ya lo sé que corazón que no ve es corazón que no siente
corazón que te miente, amor
pero, sabes que en lo más profundo de mi alma sigue aquel dolor
por creer en ti
¿qué fue de la ilusión y de lo bello que es vivir?

¿Para qué me curaste cuando estaba herío
si hoy me dejas de nuevo el corazón partío?

¿Quién me va a entregar sus emociones?
¿Quién me va a pedir que nunca le abandone?
¿Quién me tapará esta noche si hace frío?
¿Quién me va a curar el corazón partío?
¿Quién llenará de primaveras este enero
y bajará la luna para que juguemos?
Dime si tú te vas, dime, cariño mío
quién me va a curar el corazón partío

Tiritas pa’ este corazón partío
tiri-ti-tando de frío
tiritas pa’ este corazón partío
pa’ este corazón

Dar solamente aquello que te sobra
nunca fue compartir, sino dar limosna, amor
si no lo sabes tú, te lo digo yo
después de la tormenta siempre llega la calma
pero sé que después de ti, después de ti no hay nada

¿Para qué me curaste cuando estaba herío
si hoy me dejas de nuevo el corazón partío?

¿Quién me va a entregar sus emociones?
¿Quién me va a pedir que nunca le abandone?
¿Quién me tapará esta noche si hace frío?
¿Quién me va a curar el corazón partío?
¿Quién llenará de primaveras este enero
y bajará la luna para que juguemos?
Dime si tú te vas, dime, cariño mío
quién me va a curar el corazón partío (repetir x6)

Metade

Lindo, lindo, lindo.
Porque todos nós somos duas metades, e uma só pessoa.
Sem palavras, pois a poesia e a música dizem TUDO.


terça-feira, 27 de maio de 2008

Para o meu irmão e o meu avô



Would you know my name if I saw you in heaven?
Would it be the same if I saw you in heaven?
I must be strong and carry on,
'Cause I know I don't belong
here in heaven.

Would you hold my hand if I saw you in heaven?
Would you help me stand if I saw you in heaven?
I'll find my way through night and day,
'Cause I know I just can't stay
here in heaven.

Time can bring you down, time can bend your knees.
Time can break your heart, have you begging please,
begging please.

Beyond the door there's peace I'm sure,
And I know there'll be no more
tears in heaven.

Would you know my name if I saw you in heaven?
Would it be the same if I saw you in heaven?
I must be strong and carry on,
'Cause I know I don't belong
here in heaven

segunda-feira, 26 de maio de 2008

AVÔ

Estive a trabalhar as fotos que a minha madrinha me enviou para preparar um álbum que represente os 88 anos de vida da minha avó.
E para bem ilustrar a sua história enviou-me fotos que foi buscar aos álbuns, com a minha avó e com o meu avô, desde os seus tempos de infância até quase ao dia da morte do meu avô (obrigada madrinha por todas as fotos).

Foi uma oportunidade para relembrar o quão importante ele foi para mim.
O que representou.

Com os seus defeitos e qualidades (como qualquer ser humano), foi um homem que conseguiu construir fortuna a partir do nada e sem a "educação" escolar a que hoje se dá tanta importância!
Mas mesmo sem a escolaridade a que hoje em dia se dá tanta importância, era uma das pessoas mais cultas que conheci, que adorava ler e adquirir conhecimentos.

Conseguiu criar 3 filhos e dar-lhes as oportunidades que nunca teve.
Foi expulso do país que considerava seu e para onde tinha ido com a família para construir uma nova vida, despojado de todos os seus bens na 2ª metade da sua existência, e forçado a reconstruir toda uma vida.
Mas conseguiu!!!
Sobreviveu a vários AVC e passou pela "humilhação" de ter de estar dependente de alguém (ele, que era e sempre foi até ao final, um homem extremamente orgulhoso) e, apesar de tudo, tentava sempre mostrar boa cara, dizer a sua piada e sempre, mas sempre, tentou que eu estivesse bem e feliz (afinal era o meu padrinho)!

Lembrei-me de tudo o que fez por mim, de andar de gatas comigo quando eu era bebé, de já quase não conseguir falar depois dos seus ataques e mesmo assim segurar a minha mão e fazer um esforço para falar (e ele detestava falar, pois detestava não conseguir exprimir-se correctamente) e saber como estava, como tinham corrido os meus jogos (era a única pessoa na minha família que me falava da minha vida desportiva) etc....
Sei o que passava por não conseguir falar correctamente e pela paralisia facial (detestava que o vissem assim "desfigurado") e de como os olhos brilhavam quando via os filhos ou os netos.
Do orgulho de ter conseguido reconstruir uma vida, de ver os seus filhos "bem".
Da dor que sentia por saber que nem todos estavam felizes ou bem e de não os poder ajudar mais (financeiramente ou pela presença física).
Do prazer e orgulho que ele sentiu de ter toda a família nas suas bodas de ouro (filhos e netos).

Foi bom rever as fotos, relembrar o meu avô (sei que a imagem que transparece é idealizada, mas é como escolho pensar nele), o carinho que tinha por ele, a amizade... e as saudades que tenho dele!
E finalmente perceber de quem herdei este famoso e legendário mau feitio (é mesmo do meu avô)!!!

Aqui fica uma imagem dele, já depois do regresso a Portugal, numa visita ao meu tio quando ele estava nos Açores.
Para se ver como sempre foi um homem bonito e elegante, com a sua paixão pelas balalaicas (será que é assim que se escreve?).

Família

Hoje estou triste.

Estou mesmo muito triste, desapontada, desiludida, decepcionada, .....
Não sei se será só porque estou mais cansada (o que me faz ser mais sensível a algumas coisas), se é porque o trabalho que passeia a tarde a fazer não serviu de nada (a moldura estava avariada e não tinham outra), se é por esta chuva que não passa... ou se é porque a união familiar e os valores são algo a que sempre dei muito valor e cada vez vejo menos na minha própria família.
Atenção que com esta última afirmação não estou a apontar dedos, não estou a acusar ninguém (quem sou eu para o fazer?), pois acredito que cada qual tem as suas razões para tomar as atitudes que toma.
Mas com uma vida tão curta e que passa tão depressa, será que vale a pena guardar ressentimentos ou fomentar a desunião por coisas pequeninas ou mesquinhas?
Será que quando estivermos para morrer ou numa altura de necessidade, as coisas a que demos tanta importância, que nos fizeram cortar laços com a família, serão assim tão importantes?

Estou triste porque a minha avó (a única que me resta) vai fazer 88 anos no sábado (sim, nem é num dia de semana, é no fim de semana) e dos 3 filhos que teve, 6 netos vivos e 4 bisnetas... no seu almoço de anos só vai ter a presença da filha mais velha, da mais nova e genro, da neta mais velha e da neta mais nova e namorado.
6 pessoas a representarem 88 anos de vida!!!

88 ANOS!!!
Uma vida cheia de coisas boas e más, sucessos e dificuldades, uma idade invejável e uma família numerosa (algo que eu sei que nunca terei) e... a maior parte da família não consegue arranjar tempo ou colocar de lado compromissos e/ou as disputas para celebrar esta data com ela?!
A maioria de nós não sabe se vai chegar a essa idade, muito menos com a saúde e vitalidade que ela tem.

Despedaça-me o coração pensar que não vai ter a família toda reunida à sua volta nesta data tão especial!
Todos os anos, meses, dias, horas e minutos que podemos passar com ela serão sempre de menos (e pessoalmente já lamento não passar mais tempo com ela, nem falar mais com ela).
Pensar que não se conseguem colocar de lado "rivalidades", "intrigas", "invejas" e mais "mesquinhices" para estar com a "velhota"... é para mim algo de muito, muito triste.
Mas pelo menos vai ter a companhia de quem não se importa de colocar de lado, cancelar ou adiar qualquer compromisso para que ela esteja acompanhada e mimada neste dia (mais uma vez, não duvido que todos a adorem... mas realmente não consigo compreender as prioridades, só que cada pessoa tem a sua vida e valores e não sou ninguém para os julgar por isso).
Só lamento muito não conseguir ter a família que pensava, ou sonhava - a que consegue arranjar tempo para celebrar mais um ano de vida da sua matriarca!
Lamento não conseguir dar-lhe uma foto de família pelos seus 88 anos... entristece-me pensar que se valoriza mais o "ter razão", ou o "querer ganhar", ou mesmo razões "financeiras ou interesseiras" do que mimar a mãe, avó ou bisavó que ainda temos!
Espero que aguente até aos 90 - pode ser que nessa data se dê mais valor e se consiga reunir a família toda mais uma vez.

Lamento o desabafo, não vou falar mais sobre isto (nem quero falar), pois para mim é muito triste pensar nisto!

Deve ser por estar na minha nuvem e estar este mau tempo que fico triste, mas gostava muito de poder dar a alegria à minha avó de ter a SUA família reunida no seu aniversário.
E de conseguir mostrar à minha avó que por ela TODOS eram capazes de colocar de lado qualquer coisa e qualquer desentendimento pessoal para poderem estar com ela...

Mas pode ser que no seu enterro se consiga (infelizmente vai ser tarde demais para ela ver)!

domingo, 25 de maio de 2008

Te Busqué

Hoje estou com esta música na cabeça.
Os efeitos de uma simples mensagem...

I've been high I've been low
I've been fast I've been slow
I've had nowhere to go
Missed the bus missed the show
I've been down on my luck
I've felt like giving up
My life locked in a trunk
When it hurt way too much
I needed a reason to live
Some love inside me to give
I couldn't rest I had to keep on searching

[chorus]
Te busque debajo de las piedras y no te encontre
En la mañana fria y en la noche te-busque
Hasta enloquecer
Pero tu llegaste a mi vida como una luz
Sanando las heridas de mi corazon
Haciendo-me sentir vivo otra vez

I've been too sad to speak and too tired to eat
Been too lonely to sing the devil cut off my wings
I've been hurt by my past but I feel the future

In my dreams and it lasts I wake up I'm not sure
I wanted to find the light something just didn't feel right
I needed an answer to end all my searching

[chorus]

I look in the mirror the picture's getting clearer
I wanna be myself but does the world really need her
I ache for this earth
I stopped going to church
See God in the trees makes me fall to my knees
My depression keeps building like a cup overfilling
My heart so rigid I keep it in the fridge
It hurts so bad that I can't dry my eyes
cause' they keep on refilling
with the tears that i cry

[chorus x 3]

quinta-feira, 22 de maio de 2008

I should have known better (Jim Diamond)

Uma das minhas músicas preferidas, que serve a muita gente que conheço ou conheci.
Tem uma letra muito forte (acerca de um homem que mentiu á mulher que amava), apesar de ser de 1984 (é triste, mas a idade não perdoa)!!!
Espero que gostem tanto como eu, pois hoje não me sai da cabeça!


And I should have known better to lie with one as beautiful as you.
Yeah, I should have known better to take a chance on ever losing you.
But I thought you'd understand, can you forgive me?

I saw you walking by the other day.
I know that you saw me, you turned away and I was lost.
You see: I've never loved no one as much as you.
I've fooled around but tell me now just who is hurting who?
And I should have known better to lie with one as beautiful as you. ...
I should have known better to take a chance on ever losing you
But I thought you'd understand, can you forgive me?

I-I-I-I-I-I-I-I-I-I
should have known better,
I-I-I-I-I-I-I-I-I-I
should have known better.

It's true, I took our love for granted all along.
And trying to explain where I went wrong, I just don't known.
I cry but tears don't seem to help me carry on.
Now there is no chance you'll come back home, got too much pride.
And I should have known better to lie with one as beautiful as you. ...
I should have known better to take a chance on ever losing you
But I thought you'd understand, can you forgive me?

I-I-I-I-I-I-I-I-I-I love you,
I-I-I-I-I-I-I-I-I-I-I love you.

No-no-no-no-no-no I love you!
No-no-no-no-no-no, yeah!

And I should have known better to lie with one as beautiful as you

quarta-feira, 21 de maio de 2008

Para os meus amigos e para "Ele"

Especialmente dedicado àquela pessoa que já devia ter "morrido", pois fez com que eu "morresse" e conseguiu fazer o que nunca ninguém fez até hoje (despedaçar o meu coração). Aquela pessoa a quem pedi para esquecer que me tinha conhecido e que não consigo perceber porque não desliga e me deixa em paz!!!
E também a todos os "amigos" que só se lembram de mim quando precisam de algo.
Para aquele que só fala comigo quando imagina que vai acontecer algo mais que amizade e depois foge como um cobarde sem explicações e sem responder a mensagens, telefonemas, etc...
E, já agora... para todos a quem a carapuça servir!
Para quem não percebeu, dedico esta oração a todos os que me estragaram o dia, a semana, o mês, o ano e a vida!
E como boa católica, com esta oração posso esquecer o passado, perdoar e seguir em frente!

Encontrar O homem

Hoje enviaram-me mais uma daquelas intermináveis correntes que se eu não cumprir me vai fazer ter azar o resto da vida, não ter amor, felicidade, etc.
A parte original e que me fez pensar foi... o texto:

Encontra o homem que te chama gira, em vez de boa...
Que te telefona de novo quando lhe desligas o telefone na cara...
Que fica acordado só para te ver dormir...
Espera pelo homem que beija a tua testa...

Que fica de mãos dadas contigo a frente dos amigos...

Espera pelo homem que te esta constantemente a lembrar o quanto significas
para ele...
e da sorte que ele tem em te ter...

Espera por aquele que se vira para os amigos e diz...'É aquela...'


Isto é tudo bonito e lindo... o que se esqueceram de dizer foi o que fazemos quando encontrámos esse homem, vivemos tudo o que está descrito e muito mais e, de repente, acordamos com um e-mail a terminar tudo.
Sem mais explicações!
O que fazer nestes casos?
Será que alguém tem uma "corrente"! que explique o que fazer ou sentir?
Será que foi porque não mandei alguma corrente que me tenham enviado por mail?! :-)
Fica o pensamento, porque não acredito que seja uma corrente por e-mail que me vá trazer um novo homem ou um homem assim (e por homem eu entendo um Amor).
Se vier alguém (neste termos, piores ou melhores) é porque estava destinado ou porque fiz com que o destino acontecesse. Nunca será porque enviei dezenas de correntes por mail.

Mas agradeço a quem mo enviou - infelizmente já o encontrei.
E perdi!
E ainda não percebi porquê (deve ser por ser loira no interior)

The love boat

Mais um pequeno vídeo para se rirem.
Como as pequenas coisas estragam o romance!

terça-feira, 20 de maio de 2008

O Poder da mímica

Recebi este vídeo do GC.
Como podem ver, uma música que até é bastante bonita, com uma letra bonita, pode ser interpretada de forma a que até as lágrimas nos caem de tanto rir.
Parecem os coros ou as cantoras dos anos 80 com as suas coreografias ligadas à letra das músicas.
Para rirem um bocadinho e verem um mimo talentoso.

O elogio dos porcos

Como este texto me parece familiar...
Como conheço isto...
E até gosto de porcos, como sabe quem me conhece.
Se pensar bem, reflecte perfeitamente o que estou a viver!!!

Um agricultor coleccionava cavalos e só lhe faltava uma determinada raça.
Um dia ele descobriu que o seu vizinho tinha esse determinado cavalo e atazanou-o até conseguir comprá-lo.

Um mês depois o cavalo adoeceu, e ele chamou o veterinário:

- Bem, o seu cavalo está com uma virose, é preciso tomar este medicamento durante 3 dias, no terceiro dia eu retornarei e, caso ele não esteja melhor, será necessário sacrificá-lo.

Ali perto, o porco escutava a conversa toda...

No dia seguinte deram o medicamento e foram-se embora.
O porco aproximou-se do cavalo e disse:

- Força amigo! Levanta-te daí, senão serás sacrificado!!!

No segundo dia, deram-lhe o medicamento e foram-se embora.
O porco aproximou-se do cavalo e disse:

- Vamos lá amigo, levanta-te senão vais morrer!
Vamos lá, eu ajudo-te a levantar... Upa! Um, dois, três.
No terceiro dia deram-lhe o medicamento e o veterinário disse:

- Infelizmente, vamos ter que sacrificá-lo amanhã, pois a virose pode contaminar os outros cavalos.

Quando se foram embora, o porco aproximou-se do cavalo e disse:

- É agora ou nunca, levanta-te depressa! Coragem! Upa! Upa! Isso, devagar! Óptimo, vamos, um, dois, três, agora mais depressa, vá... Fantástico! Corre, corre mais! Upa! Upa! Upa!!! Tu venceste, Campeão!!!
Então, de repente o dono chegou, viu o cavalo a correr no campo e gritou:

- Milagre!!! O cavalo melhorou! Isto merece uma festa... para comemorar Vamos matar o porco!!!

Reflexão:
Isto acontece com frequência no ambiente de trabalho e na vida também.

Dificilmente se percebe quem é o funcionário que tem o mérito pelo sucesso, por isso saber viver sem ser reconhecido é uma arte.

Se algum dia alguém lhe disser que o seu trabalho não é de um profissional, lembra-te:

'Amadores construíram a Arca de Noé e os profissionais, construíram o Titanic'.

segunda-feira, 19 de maio de 2008

Quidam

Hoje fui ver um espectáculo BRILHANTE.
Desde criança que DETESTO circo mas a verdade é que não podemos, de forma nenhuma, chamar Circo (no sentido convencional da palavra) ao Cirque du Soleil.
É um espectáculo de teatro, dança, números circenses e muito mais, executados de formas diferentes e insólitas... mas seguramente não é o que se entende por Circo.

Para além da organização extrema (tudo está cronometrado ao segundo e sem falhas), os artistas são magníficos, as luzes, o espectáculo, a fantasia, imaginação, criatividade, roupas, etc. - tudo é pensado ao pormenor.

Era um espectáculo de 2 horas, mas o tempo parece ter passado a voar, pois não há pausas nunca.
Entre a dança, acrobacias, mímica... tudo segue de forma ininterrupta, fazendo com que o público sonhe por mais.
E não se nota o mínimo esforço, artificialidade - tudo é feito com um sorriso e de uma forma tão natural que até parece fácil fazer. E mesmo as falhas mínimas desaparecem, disfarçadas na representação, como se fizessem parte do acto.

Não há palavras para descrever a admiração, os risos, tudo o que senti (eu, que nunca bato palmas, houve momento em que não podia evitar aplaudir actuações brilhantes e divertidas).

E o "palhaço"?
Incrível. Esqueçam a ideia de palhaço que tinham (eu ODEIO palhaços) - não vão conseguir de parar com este e com a interacção com o público.

Não me parece ter visto um ou dois dos actos anunciados (Statue Vis Versa e Hand Balancing - este último substituído por uma versão de contorcionismo com mistura de Hula-Hoops), mas acreditem que não me senti minimamente lesada com isso (opinião partilhada com quem partilhou comigo o espectáculo).

Aconselho que todos os que tenham possibilidade para isso o vão ver.
E, não se assustem - a tenda é pequena e tem excelente visibilidade, por isso podem escolher bilhetes de qualquer preço.
Se conseguirem ficar de frente para o "palco" (não posso dizer arena, pois não é), mesmo que seja nas filas superiores, devem aproveitar.
E se tiverem filhos e forem como eu (que não gosto do circo tradicional), tenho a certeza que vão adorar - não aconselho a crianças muito pequenas (menos de 5 ou 6 anos), que não vão perceber, nem a adolescentes que não largam o telemóvel, como a jovem que estava ao meu lado, que até a bateria do telefone da mãe queria para poder continuar a enviar mensagens (1 hora com o telefone desligado e já dizia que parecia que tinha morrido).

Aqui fica o que está no site do Cirque du Soleil como apresentação do espectáculo (passem lá e vejam também as fotos e vídeos):

Quidam: um transeunte sem nome, uma figura solitária numa esquina da rua, uma pessoa a passar apressadamente. Podia ser qualquer um. Alguém a chegar, a partir, a viver na nossa sociedade anónima. Um elemento na multidão, um entre a maioria silenciosa. Aquele dentro de nós que grita, canta e sonha. É este o "quidam" que o Cirque du Soleil celebra.

Uma jovem rapariga enfurece-se; ela já viu tudo o que há para ver e o seu mundo perdeu todo o significado. A sua raiva despedaça o seu pequeno mundo e ela encontra-se no universo do Quidam. A ela junta-se um companheiro alegre, assim como outra personagem, mais misteriosa, que vai tentar seduzi-la com o maravilhoso, o inquietante e o aterrador.

Com mais de 50 artistas de mais de dez países, esta produção é uma excitante combinação de arte acrobática, mestria técnica, criações extravagantes e uma inspiração musical excepcional, harmoniosamente entrelaçadas por um fio emocional dramático. Quidam apresenta a German Wheel, Banquine, Spanish Webs, Diabolos, Aerial Contortion in Silk, e, obviamente, os aclamados Crazy Clowns. Uma impressionante banda sonora tocada ao vivo, resulta de misturas culturais eclécticas, instrumentos de corda clássicos e sintetizadores, misturadores e guitarras.

Apresentado sob o ambiente único do Grand Chapiteau, Quidam é verdadeiramente uma experiência única do Cirque du Soleil.

“Quidam é o espectáculo que mudou a minha vida pela carga criativa que carrega em si. Todos nós somos pessoas anónimas na multidão que nos engole, mas todos nós temos a capacidade de encontrar a esperança e felicidade na vida.Quando virem Quidam, não pensem demais: apenas sintam e apreciem.”, Lyn Heward, ex-Presidente e CO da Divisão Criativa do Cirque du Soleil.

Os Actos:

  1. Roda Alemã
  2. Diabolos
  3. Contorsão aérea em seda
  4. Super salta cordas
  5. Aro Aéreo
  6. Handbalancing (ato em rotação)
  7. Redes espanholas
  8. Malabarismo/Manipulação (acto em rotação)
  9. Vice-Versa (ato em rotação)
  10. Nuvem osciladora
  11. Banquine
  12. Encerramento

[não serão obrigatoriamente por esta ordem]

Horário dos espectáculos:
3ª a Sábado às 21h30 Sábados também às 17h30
Domingos às 16h30 e 20h30

Preços:
de 30€ a 95€ (pacote VIP que inclui acesso aos melhores lugares, um passe VIP, uma bebida e um programa do espectáculo)

Informações e reservas:
www.cirquedusoleil.com ou pelo telefone 217616066

Musicas Preferidas e Intemporais

Durante algum tempo, quando iniciei o blog, pensei em fazer uma listagem com as minhas musicas preferidas (e um dia ainda espero vir a fazer), mas se quiserem partilhar comigo o meu gosto musical (perfeitamente indescritível, pois vai da clássica ao Hip & Hop, passando mesmo por alguns clássicos "Pimba", aqui vos deixo a ligação para a minha playlist (ainda muito básica e desorganizada), disponível no You Tube.

Espero que gostem (pois não vai mostrar nada do que sou - a não ser uma pessoa sem grandes preferências musicais, a não ser uma tendência para a música romântica).
De qualquer forma a listagem lateral irá sendo actualizada regularmente, para variar as músicas que ouvem enquanto procuram ler nas entrelinhas!

Playlist das musicas intemporais da Paula

From Sarah with love

Umas das minhas canções preferidas de sempre, que me custou a encontrar pois só me lembrava de Sarah, mas que dedico à pessoa que me ofereceu uma pulseira com um coração e que tinha gravado o nome Sara (o nome da marca que produzia aqueles acessórios)



For so many years we were friends
And yes I always knew what we could do
But so many tears in the rain
Felt the night you said
That love had come to you
I thought you were not my kind
I thought that I could never feel for you
The passion and love you were feeling
And so you left
For someone new
And now that you're far and away
I'm sending a letter today

From Sarah with love
She'd got the lover she is dreaming of
She never found the words to say
But I know that today
She's gonna send her letter to you
From Sarah with love
She took your picture to the stars above
And they told her it is true
She could dare to fall in love with you
So don't make her blue when she writes to you
From Sarah with love

So maybe the chance for romance
Is like a train to catch before it's gone
And I'll keep on waiting and dreaming
You're strong enough
To understand
As long as you're so far away
I'm sending a letter each day

From Sarah with love
She'd got the lover she is dreaming of
She never found the words to say
But I know that today
She's gonna send her letter to you

From Sarah with love
She's gotta know what you are thinking of'
Cause every little now and then
And again and again
I know her heart cries out for you

From Sarah with love
She'd got the lover she is dreaming of
Never found the words to say, ahh
But today, but today...

From Sarah with love
She took your picture to the stars above
And they told her it is true
She could dare to fall in love with you
So don't make her blue when she writes to you
From Sarah with love

So don't make me blue when I write to you
From Sarah with love

domingo, 18 de maio de 2008

Eu sei que vou te amar


Eu sei que vou te amar
Por toda a minha vida eu vou te amar
Em cada despedida eu vou te amar
Desesperadamente, eu sei que vou te amar
E cada verso meu será
Prá te dizer que eu sei que vou te amar
Por toda minha vida
Eu sei que vou chorar
A cada ausência tua eu vou chorar
Mas cada volta tua há de apagar
O que esta ausência tua me causou
Eu sei que vou sofrer a eterna desventura de viver
A espera de viver ao lado teu
Por toda a minha vida

Amigos


UM AMIGO...

Ajuda-te

Valoriza-te


Respeita-te


Acredita em ti


Nunca te goza


Compreende-te


Nunca se ri de ti


Aceita-te como és


Eleva o teu espírito


Caminha a teu lado


Perdoa os teus erros


Admira-te no teu todo


Acalma os teus medos


Oferece-te o seu apoio


Ajuda-te a levantares-te


Diz coisas lindas sobre ti


Ama-te por aquilo que és


Explica-te o que não entendes


Diz-te tudo sobre o teu coração


Entrega-se-te incondicionalmente


Diz-te a verdade, quando precisas ouvi-la


Grita-te, se necessário quando não queres 'ver' a realidade


E pensa em ti sempre que te envia e-mails com mensagens bonitas (mesmo que os recebas milhares de vezes).
Obrigada PP por te lembrares de mim

O Livro Negro das Fraudes e Esquemas na Net

Depois de uma ausência mais prolongada do que eu esperava (muita coisa a acontecer ao mesmo tempo - e a má gestão de prioridades habitual, que é imagem de marca), eis-me de volta.

Todos recebemos diariamente aqueles e-mails com as correntes, mensagens de boa sorte, tantras, etc, etc.
Muitas vezes apagamos, outras repassamos porque a mensagem é bonita, ou porque, no fundo, queremos acreditar que vai resultar (usando a técnica descrita no livro "O Segredo).

Mas a verdade é que 99.9% dessas mensagens são falsas ou esquemas de hackers (pessoas que "entram" nos nossos computadores).

Recebi este ficheiro de uma pessoa que trabalha para a Anacom e que adora este tipo de mensagens, pois é o que faz as companhias de comunicações ganharem dinheiro e precisarem de empregar especialistas informáticos.

Espero que ajude a compreender algumas das Fraudes e Esquemas mais utilizados na Internet.

O Livro Negro das Fraudes e Esquemas na Internet

terça-feira, 13 de maio de 2008

Poema sobre o amor

Um poema muito bom que o B me enviou esta noite (que pensa ser do poeta indicado) e que é simplesmente... a verdade sobre o amor.
Sem mais palavras, aqui fica

"Vou escrever um poema sobre ti." disse eu a uma ave.
A ave respondeu "As tuas palavras serão tão coloridas como as minhas asas?"
"Não." retorqui.
"As tuas palavras serão tão doces quanto a música da minha voz?"
"Não." voltei a responder.
"As tuas palavras poderão voar o voo das minhas asas?"
"Não."
"A minha vida estará nas tuas palavras?"
"Não."
"Como poderás então escrever um poema sobre mim?" perguntou-me a ave.
"Porque te amo!" disse.
A ave exclamou "O que tem o amor a ver com palavras?"
Harivansh Rai Bachchan

Vida de casado

Só porque esta anedota me fez rir e me apetece partilhar (porque nunca casei ou porque conheci alguns como... o marido):

VIDA DE CASADO É DUREZA.....

Três mulheres, uma noiva, uma casada e uma amante, decidiram fazer uma brincadeira: seduzir seus homens usando uma capa, corpete de couro, máscara nos olhos, botas de cano alto, pra depois dividir a experiência entre elas.

No dia seguinte, disse a noiva:

- Quando meu namorado me viu usando o corpete de couro, botas com 12 cm de salto e máscara sobre
os olhos, me olhou intensamente e disse: ' Você é a mulher da minha vida, eu te amo'.
E fizemos amor apaixonadamente.

A amante contou a sua versão:

- Encontrei meu amante no escritório, com o equipamento completo!
Quando abri a capa, ele não disse nada, me agarrou e trepamos a noite toda, na mesa, no chão, de pé,
na janela, até no hall do elevador!

E aí a casada contou sua história:

- Mandei as crianças para a casa da minha mãe, dei folga pra empregada, fiz depilação completa, as unhas, escova, passei creme no corpo inteiro, perfume em lugares estratégicos, e caprichei: capa preta, corpete de couro, botas com salto de 15 cm , máscara sobre os olhos e um batom vermelho que nunca tinha usado.
Pra incrementar, comprei uma calcinha de lycra preta com um lacinho de cetim no ponto G!.
Ainda apaguei todas as luzes da casa e deixei só velas iluminando tudo.

Meu marido chegou, me olhou de cima abaixo e disse:
Fala aí, Batman, o que temos para o jantar?

quarta-feira, 7 de maio de 2008

Cobranças e Chantagem

Já alguma vez se sentiram "usados", emocionalmente chantageados, que vos cobram por algo que vos ofereceram?
Eu sinto isso frequentemente, especialmente com algumas pessoas que me são mais chegadas.

Mas realmente não consigo compreender estas coisas.

Passo a explicar uma das situações mais frequentes em que isto me acontece:
  • Peço um favor a alguém. Explico que é um favor, que não são obrigados a fazer porque há outras opções, mas que pensei em perguntar se podiam fazer - SEM OBRIGAÇÃO.
  • A pessoa diz que sim, que pode fazer, que vai fazer, etc, etc.
  • Insisto mais um pouco porque sinto que está a ser um incómodo ou um "frete" e não é o que pretendo - e mesmo assim garantem-me que não, que se pode fazer, etc....
  • Porque é que essa pessoa à primeira oportunidade vai atirar algo à cara? Ou vai dizer algo que significa "eu faço isto por ti e tu nem te preocupas comigo"?
Não percebo - mas também tenho as raízes loiras, só pode ser disso!!!
Quando me pedem alguma coisa, ou digo que posso fazer, ou digo que não posso. Independentemente de ser um frete ou não, de se tratar de alguém que nunca fala comigo ou de alguém que está comigo todos os dias... se me pedem algo eu só se não puder é que não faço!!!
E NUNCA, mas NUNCA me passaria pela cabeça cobrar ou dar indirectas sobre isso.
No pior dos casos, na próxima situação diria que não podia!

E então quando estas situações de chantagem emocional ou cobranças ocorrem com membros da família.... ainda é pior!!!
A família é suposto serem aquelas pessoas a quem podemos dizer as coisas, a quem podemos dizer sim ou não sem nos preocuparmos....
No meu caso... tenho mesmo de pensar duas vezes antes de pedir algo!!!
Porque me arrisco a ter de ouvir que me fazem tudo e eu não me preocupo com os outros!!!
E para isso... não vale a pena pedir nada!

Continuo sem perceber... eu tento... mas não percebo...

Porque fazer algo só para se poder dizer mais tarde "quando precisavas eu estava lá, mas eu não te disse nada e tu não quiseste vir saber" ou ainda pior e mais frequente "quando pediste estive lá, mas apesar de repetidamente te dizer que estava bem, tinhas como obrigação perceber que não e andar a insistir para saber o que eu tinha e se estava melhor".

Há também a versão "ninguém gosta de mim, estou sozinho(a), mais valia matar-me... assim ninguém se preocupa e todos ficam felizes" - esta então é uma pérola que sabe bem ouvir de quem nos está próximo!

Será que sou eu?!
Será que é normal?!
Que se fazem favores ou se ajudam as pessoas para depois lhes podermos cobrar?!

Se há coisa que detesto e que evito ao máximo na vida é pedir favores pessoais.
Sempre tentei resolver as minhas coisas por mim.
Nunca pedi para me arranjarem trabalho, para me pagarem as contas (salvo raras excepções muito pontuais), por norma sempre tentei resolver os meus problemas e dificuldades sozinha e sempre fiz o possível por não ser um peso para família e amigos!

E uma das razões de tentar resolver tudo sozinha é porque sempre detestei sentir que estava em "divida" com alguém (mesmo sendo família ou amigo chegado e, num mundo normal, ser uma situação usual).
E nunca me quis colocar "a jeito" para este tipo de comentários.

Dou a minha camisa, casa, carros, dinheiro, mesmo a saúde e tudo o que tenho e não tenho pelas pessoas que me estão próximas e especialmente pela minha família... e NUNCA me passou pela cabeça dizer a alguém que não se preocupa comigo... que não repara quando estou mal, que não me telefona, que não está presente... simplesmente porque ele um dia me pediu algo!!!

Porque o fazem comigo?!

Eu sei a resposta... mas é tão estúpida como esses comentários que nem vale a pena...
Fazem isso comigo porque sabem que me magoa!
Porque me preocupo com as pessoas!
Porque tento ignorar o lado mau e as coisas negativas e tento dar valor às coisas boas!
Porque sou a "sensata" que tem de aceitar todos como são e que não liga ao facto de as pessoas não saberem como EU sou e mesmo assim está lá quando é preciso.
Porque sou a pessoa que abdica da sua vida e do seu tempo pelos outros...
E porque este tipo de comentários me fere... me faz sentir "má" por não ligar às pessoas como devia... Mesmo sendo talvez das pessoas que mais se preocupa com quem está próximo.

Mas se magoa, também faz crescer!
Faz perceber que não me posso dar ao luxo de ter momentos de fraqueza, porque esses momentos só fazem com que seja mais uma porta para depois me atirarem à cara!
E que se sou "forte"... tenho de ser sempre forte.
E se faço as coisas sozinha - alguma razão há!

Mas pode ser que um dia eu perceba o porquê deste tipo de atitudes e comentários. E no dia em que perceber... deixam de magoar!

Porque não posso aceitar que estas atitudes resultem de solidão e egoísmo.
Cada pessoa está só se e porque quer! Ou porque as suas acções e decisões na vida a isso levaram.
E não é justo culpar os outros por isso!

Mais um "desabafo" confuso... mas um dia com tempo e cabeça pode ser que consiga explicar melhor...

Pequena Pausa

Numa semana onde muita coisa aconteceu e vai acontecer... pequena pausa no blog.
Mas como algumas pessoas se preocupam com a falta de "notícias", aqui fica a informação do porquê.

Estou bem, continuo bem e prometo regressar no máximo no domingo com mais posts e pensamentos (o esquema vai passar a ser escrever quando sinto vontade e onde sentir vontade - e depois passar para aqui).
Por outro lado, preciso de reorganizar as ideias, o coração... e a pausa vai ajudar...

Deixo-vos uma imagem que, para quem me conhece melhor... diz mais que mil palavras!

Até breve!

sábado, 3 de maio de 2008

Feliz Dia Da Mãe

Hoje é dia da MÃE!!!

E digo MÃE porque não há nada melhor nem maior realização no mundo do que ser MÃE!

Apesar da tristeza de não ser mãe (e não dar netos à minha), queria aqui deixar um enorme beijo a todas as mães que conheço, amigas, primas, tias, irmã, avó, mãe, etc.

Mas em especial, não podia deixar de falar das MÃES que marcaram a minha vida.

  1. A minha avó.
    Com o seu feitio, a sua maneira de pensar de há quase dois séculos, todos os seus defeitos e virtudes. Mas que é e sempre foi uma mulher de coragem, que mudou de país e conseguiu construir uma fortuna ao lado do marido, criar 3 filhos e um futuro para os netos. E quando lhe retiraram tudo à força, já com mais de meio século de vida, regressou e reconstruiu uma vida, com coragem, força e determinação.
    Que tem as suas manias (não as temos todos), com os seus santos (ok… exagera por vezes), com as suas crenças e doenças (já tem idade para isso), com os seus favoritismos (conhecidos de todos e que já fazem parte dela), mas é um exemplo de como sobreviver a todas as dificuldades que a vida nos coloca e mesmo assim manter a coragem e ter uma família que se reúne à sua volta.
    E que, com aquela idade (quase 88 anos)já usa as calças e roupa mais desportiva (a vitória do conforto ou do frio?), com sabe trabalhar o telemóvel, dvd, cartão Multibanco e só não trabalha com um computador porque é… casmurra (mas isso é de família e sai à neta - a mais nova, claro)!

  2. A minha madrinha.
    Que esteve sempre a meu lado quando precisava.
    Que superou um cancro com coragem, força e determinação.
    Que luta pela sua família e que procura superar todas as pedras que lhe colocam no caminho com cara alegre.
    Que também teve de reiniciar a sua vida, depois de ter crescido noutro continente e com outras condições. E que apesar de tudo o que passou, sofreu, sofre… ainda escreve, se dedica às netas e sofre em silêncio pelo que a fazem viver.
    Enfim, que … é a minha madrinha, um exemplo.

  3. A minha irmã.
    Que apesar das dificuldades, vive a vida que escolheu, a fazer o que sempre disse que faria.
    Com os “filhos” que sempre escolheu ter e junto do homem que a consegue “aturar” e a compreende e com quem partilha a paixão.
    E que apesar do seu mau feitio e de estar sempre às “turras” comigo é e será sempre… a minha irmã – uma mãe dedicada aos seus “filhos” - e em breve netos.
  4. E por último, mas mais importante que todas as outras, à minha mãe!
    Não há palavras para descrever o quanto me serve de exemplo!
    A importância que tem e terá na minha vida.
    A coragem que teve e tem… Uma pessoa que tinha tudo e que se viu forçada a mudar de país e recomeçar do zero, com 2 filhos pequenos e outra quase a nascer.
    Que passou dificuldades e privações para dar aos filhos tudo o que podia.
    Que trabalhava noite e dia para que nada faltasse.
    Que sofreu a perda do único filho e apesar de nunca ter superado a dor (tal como o meu pai – mas que pais superam a dor de perder um filho, especialmente de forma brutal?) conseguiu seguir e esconder a dor pelas filhas e continuar com coragem.
    Que voltou a estudar depois dos 50 e que se licenciou, fez uma tese fabulosa e tirou um mestrado enquanto trabalhava e cuidava das filhas.
    Que não deixa de trabalhar para garantir que nada falta às filhas, apesar de poder estar a gozar a sua reforma e fazer o que quiser.
    Que está lá sempre que preciso dela (ou quando acha que posso precisar) e que me apoia e incentiva em tudo o que faço (mesmo que não o diga directamente).
    Que nunca me disse “eu avisei” quando eu caía da minha nuvem e que sempre me deixou fazer as minhas asneiras (de qualquer forma eu sempre as faria).
    Que tem pavor que ande de mota, mas nunca disse nada!
    Que finalmente chegou ao divórcio e pode seguir com a sua vida, sempre tentando não falar ou influenciar opiniões e incentivando contacto com o meu pai (não que fosse importante para mim, pois para mim pais são pais e um divorcio implica sempre “culpa” dos dois lados...).
    Que me faz muitas vezes sentir pena de não lhe dar os netos que gostava de ter e mesmo assim diz que não se importa, pois “adopta” netos nas crianças que ensina!
    Que sofre com as carências dos miúdos que ensina e que os ajuda não só em termos de ensino mas com apoio mais “material” (roupas, equipamentos, livros e acima de tudo muito amor).
    Que passou de “Sra. directora”, com as suas saias e saltos altos, para uma mãe moderna e desportiva (só tem de parar de ter a roupa igual à minha e mais pares de ténis que eu), jovial, que não parece ter a idade que tem (mas nisso os meus pais são iguais).
    Que gostava de me ver feminina de saias e saltos altos, mas que não critica o andar de roupa larga.
    Que é brutalmente honesta quando não estou bem vestida – sim… que mãe (a não ser a minha) se vira para a filha e diz “Estás gorda. Está na hora de fazeres dieta!”? E que sabe o que dizer quando não quer que eu compre algo que me fica mal mas que eu adoro…
    Que me conhece melhor que qualquer outra pessoa (e eu sou muito difícil de conhecer… escondo bem as minhas cartas) e me defende com unhas e dentes, apesar de todos os defeitos.
    Que teve uma grande paralisia facial e que teve de fazer meses e meses de tratamento e mesmo assim se recusou a faltar às aulas para os alunos não perderem! E suportou em silencia a mágoa de ser ver “transfigurada” (apesar de para mim continuar e ter sempre sido a mais bonita mãe do MUNDO).
    Que sofre da Doença de Meunier (será que é assim que se escreve?) mas se recusa a deixar abater por isso… (apesar das casmurrice e dos sustos que por vezes me dá).
    Tanta, tanta coisa que podia dizer sobre a minha mãe…
    Mas basta dizer que, sem o seu apoio (mesmo à distância, muitas das vezes), sem o seu exemplo, sem a força serena e sofrida que sempre me transmitiu, sem os seus conselhos (muitas vezes depois da queda – mas eu também só os ouço nessa altura), sem a sua presença – não seria metade da pessoa que me orgulho de ser hoje!

Em homenagem a todas as que me marcaram, aqui vos deixo algumas fotos para verem como são lindas as mães da minha família (Mana… como sei que detestas…estive quase para não colocar nenhuma tua… mas não resisti a colocar esta do ano passado dos meus anos em que estávamos a “conspirar – assim tenho todas as mães que me marcam”).
E como poderão ver pela sequência "desfocada" em que tentei apanhar avó e filhas juntas… quando estamos em frente de um bom almoço… ninguém para quieto!!!
Saliento o facto de verem como a minha mamã foi e é sempre a mãe mais linda do MUNDO E ARREDORES!

Espero que gostem e, novamente, para todas estas MÃES que estão presentes na minha vida, mas muito especialmente para a MINHA – um grande beijo e que tenham um dia muito, muito feliz, junto dos filhos, netos, amigos, família!

sexta-feira, 2 de maio de 2008

Dei-te quase tudo...

Chamem-lhe piroso, chamem-lhe o que quiserem... mas ao passear pelo blog do C911eUtopias... lá estava esta música que tem uma letra que me diz ... algo!
São fases, são experiências de vida, que fazem com que numas alturas as letras nos pareçam profundas e noutras se diga que são pimba ou "azeiteiras"... mas esta letra .. hoje... gosto!

Paulo Gonzo - Dei-te Quase Tudo (unplugged)

Foste entrando sem pedires

E marcaste os teus sinais
Tatuaste a minha vida
Ferro e fogo e muito mais
Vasculhaste os meus segredos e eu deixei
Sem reverdes nem pudor

Invadiste os meus sentidos

o qu'eu não fiz por amor
e deixaste a minha vida
meio perdida
Neste beco sem saída

Dei-te quase tudo
e quase tudo foi demais
dei-te quase tudo..
Leva agora os teus sinais

Obrigaste-me a quebrar todas as leis
e deixaste-me ao sabor da loucura
dei-te os dedos e os anéis
E o que tinha de melhor

Mas apesar de tudo... tal como o Utopias... também eu dei QUASE TUDO, mas guardei o mais importante - EU!
E comigo ficou a minha alma, a minha maneira de ser e a minha paixão!

A diferença entre amor e paixão

Mais do escrever sobre isto, deixo aqui um pequeno texto transcrito de um dos meus blogs preferidos - http://psycneuro.blogspot.com/:

E... honestamente... para quê inventar, para quê escrever sobre o assunto, quando está tudo... aqui:

"A DIFERENÇA ENTRA AMOR E PAIXÃO

Uma grande amiga tinha vivido, durante três anos, um relacionamento muito turbulento cheio de ciúmes, término e voltas súbitas.

Onde o sofrimento era maior do que a felicidade.
Onde o ciúme imperava.
Onde a insegurança era maior do que a certeza.
E como não podia ser diferente, a história chegou ao fim.

No auge do seu sofrimento ela me disse que a vida sem ele não tinha mais graça e que nunca mais iria amar outra pessoa!

Foi aí que eu perguntei se o que ela sentia por ele era amor de verdade ou uma daquelas paixões avassaladoras que nos deixa sem rumo, sem chão, sem visão, sem identidade e que nos faz passar a gostar mais do outro do de nós mesmos.
Ela me respondeu, com toda certeza do mundo, que era amor verdadeiro.

Aquela resposta não me surpreendeu em nada, pois quem nunca teve um relacionamento como este tão avassalador?

Quem nunca cometeu uma loucura por alguém por achar que aquela era pessoa da sua vida?
Quem nunca abriu mão do que mais gostava pra viver o que o outro mais gostava?
Quem nunca achou que se ele ou ela te deixasse a vida não valeria mais a pena?
Muitas pessoa costumam acreditar que isto é amor.
Mas definitivamente não é.
E digo com conhecimento de causa.

Existe uma grande diferença entre paixão e amor.
Paixão é euforia, amor é calmaria.
Paixão é rápida, amor é duradouro.
Paixão é súbita, amor é progressivo.
Paixão é agressiva, amor é delicado.
Paixão é vendaval, amor é brisa.
Paixão detrói, amor contrói.
Paixão vinga, amor perdoa.
Paixão é doença, amor é saúde.
Paixão é dor, amor é alívio.
Paixão é dúvida, amor é certeza.
Paixão é loucura, amor é cura.

O amor faz a gente querer ser mais, querer aprender mais para poder trocar com quem amamos novas lições de vida.
O amor ajuda a superar dificuldades enquanto que a paixão cria obstáculos.
A paixão é totalmente egocêntrica, passional, escandalosa.
O amor é cuidadoso, atencioso e cúmplice. Ele nos faz acreditar que a felicidade não está nas mãos de outra pessoa e sim nas nossas mãos. Que só podemos ser felizes com alguém se conseguirmos ser felizes com nós mesmos.
O amor é aceitar que o outro tem defeitos, que somos diferentes, mas que podemos conviver com estas diferenças, pois o que atrai duas pessoas é exactamente o que um tem e o outro não.

Há quem acredite que é necessário viver cegamente uma paixão já que as pessoas hoje em dia não se permitem mais sofrer.
Mas quem disse que quem ama não sofre, não chora, não erra, não sente ciúmes e não se decepciona às vezes?

Apesar da paixão ter mais contras do que prós em relação ao amor ainda acho que não há vida sem um pouco de paixão. Portanto o melhor seria viver a vida apaixonadamente para que possamos ter um amor de verdade!!!

autora: Dani Duarte"

Sentimento

Acho que só hoje é que realmente me apercebi que ter um blog exige bastante responsabilidade.

Quando criei este blog foi mais para ser um escape, um diário, uma forma de dizer o que sentia e assim libertar a minha alma, aquilo que me pesava, sem ter de estar a falar dessas coisas e podendo manter a fachada de forte que tão bem me parece ficar.
Foi como uma forma de partilhar alegrias e dores sem ter de encarar as pessoas para falar delas (gosto de resolver as minhas coisas no meu cantinho, sozinha... e detesto falar de coisas más... detesto estar a trazer de novo a dor ou mágoa à superfície em público).

Não me tinha apercebido que era uma forma de as pessoas me conhecerem (sabia que era uma forma de me conhecerem... não me apercebi da importância desse facto) e que o facto de não escrever, para quem me estava mais próximo, até poderia ser um sinal preocupante (donde se pode ver que venho de uma família de pessimistas, pois em vez de assumirem que não escrevo por estar ocupada ou por estar bem... assumem que me isolei - hehehehe).

É verdade que adoro escrever (mal, com muitas reticências, com as minhas divagações, com parentesis por todo o lado...) e que adoro poder expressar o que me apetece, sem ter de responder a padrões de qualidade, sem pensar em publicar... só pelo prazer de escrever. Talvez um dia, quando finalmente assumir que vou ser "grande" me decida a estudar as regras da escrita... só para as poder subverter (sim... esta coisa de regras definidas nunca foi muito a minha área...)

Também é verdade que escrever me dá tendência para a tristeza, para recordar coisas que não quero recordar, para pensar em coisas que não quero pensar... e que por vezes me dedico a outras coisas só para me ocupar (ou ocupar a cabeça) e me esqueço de ... escrever aqui!
Pois também não vou nem quero, de forma nenhuma, fazer diste um blog de tristezas e desencantos.

Não vou ceder à tentação fácil de pensar que daqui a nada tenho 40 anos e continuo solteira, com mau feitio, sem filhos, com poucos amigos (mas bons) e que até no trabalho que é a minha paixão na vida, não consigo acertar com o local certo!

Isso seria fácil demais - e eu não gosto de coisas fáceis! Assim como detesto tristezas e vitimizações!
Aliás... se as coisas são fáceis demais ... é certo e seguro que eu vou encontrar a forma de as complicar.

Por outro lado (desculpa tio) também não vou parar de me entregar com paixão a tudo o que faço ou a quem amar. Doí quando acaba, doí quando se é incompreendida, dói quando se pensa que se dá tudo e depois levamos um pontapé... mas negar isso seria negar a minha essência, aquilo que sou.
E se há uma coisa que aprendi na vida é que mais vale sofrer porque acabou, do que sofrer por não tentar.

Além de que há muitos, MUITOS, muitos anos (para não dizer, no meu tempo...) que minha filosofia é e sempre foi... se estás mal, se está infeliz... olha à tua volta. Há de certeza alguém mais triste, mais infeliz, alguém que precisa da tua ajuda. E enquanto te concentras a ajudar os outros, a dar tudo por eles, a viver com paixão... esqueces que tens problemas... e eles perdem importância - e muitos até desaparecem.

E por falar em tristezas e mágoas, aqui deixo um pequenino texto que recebi hoje:
“ Não te deixes abalar pelo fato de um dia teres demonstrado os teus sentimentos a quem não soube valorizá-los.
O que importa é que soubeste assumi-los sem medo e essa pessoa um dia vai ver o quanto perdeu.
Às vezes construímos pequenos sonhos em cima de grandes pessoas, mas com o passar do tempo, percebemos que grande mesmo eram os sonhos, pois as pessoas eram pequenas demais para eles...”
Adorei!!!
Não por me ter feito lembrar o que sofri (ai a tentação de o enviar para o estrangeiro), mas porque reflecte o que penso... o que sou!

Mesmo que algumas vezes doa, me sinta injustiçada... há sempre outra nuvem no céu, há sempre sol... e estou viva, tenho uma família, amigos, um tecto - o que mais posso pedir?!

Por isso... se encher o blog de "palha" que me diverte ou que me faz pensar, se estiver alguns dias sem escrever, se escrever 3 ou 4 mensagens (nunca sei se é post, mensagem, nota, ...) num dia ou numa noite... significa que estou bem... que estou ocupada... que estou a preencher o meu tempo... e que estou a reaprender a ser feliz (ou como me disseram recentemente, a reaprender a "chorir"), que sou EU (com palha e profundidade, com intelectual e superficial, com paixão e tristeza, ...).

Bem ou mal, feliz ou infeliz... esta sou eu!

Uma nuvem cheia de contradições, que sonha com o impossível e que luta pelo seu ideal (mesmo que sejam só moinhos de vento).
Que diz o que pensa (o que sente é mais complicado) e que tira as palavras directamente do coração para a boca... a maior parte das vezes sem as deixar passar pelo cérebro antes de as pronunciar - e que perde muitos "amigos" por isso!
E alguém que ESCOLHEU que estava na altura de se deixar cair e estar um bocadinho no seu cantinho (a curar todas as feridas, novas e antigas, mas que precisavam de ser tratadas e de descanso)... decidiu que estava na altura de deixar passar a tempestade e ganhar forças antes de continuar a subir... mas que será sempre uma nuvem... azulinha... redondinha... T2 :-)

Um beijo a todos!!!

Dia do trabalhador

Hoje é dia do Trabalhador. Pelo menos é o que dizem!
Sinceramente... já não sei há alguns anos o que significa realmente este dia, ou porque é celebrado...

Nos últimos anos tenho trabalhado em empresas que não respeitam este dia - cheguei ao ponto de ouvir argumentos como "se os hospitais e postos de gasolina estão abertos, porque não estaremos nós?!".

Tinha a noção que este dia, que é feriado em quase todo o mundo, seria para celebrar os trabalhadores - os seus direitos, as suas reivindicações, o trabalho que realizam...
Por algum motivo é feriado na maior parte do mundo e a maioria do comércio e serviços está fechada, certo?

Mas de há uns anos para cá tem-se assistido a um decair da importância deste dia!

Lembro-me que, mesmo trabalhando em Multinacionais (de produtos e/ou serviços) há alguns (bastantes) anos, sempre tinha tido orgulho em anunciar que encerrávamos a 25 de Dezembro, 1 de Janeiro e a 1 de Maio. Mas de há 8 anos para cá... já só anuncio o 25 de Dezembro e o 1 de Janeiro.

Porquê?
Será que os trabalhadores efectivamente deixaram de ser respeitados, de ter valor?
Assisto diariamente a abusos de poder dos empregadores, a trabalhadores a serem despedidos ou pressionados para sairem da empresa, perderem direitos que arduamente tinham sido adquiridos... e agora até um feriado que lhes é dedicado passa a ser uma celebração ... de nome!
Um título, como o Dia de S. Nunca.

Usa-se este dia para as manifestações, para lutar pelos direitos... mas na verdade cada vez mais se perdem direitos enquanto trabalhadores, cada vez mais um trabalhador (mesmo um quadro médio) que não esteja no topo da "cadeia alimentar" é explorado, espezinhado, usado - e não representa NADA.

Então como explicar aos nossos filhos e às crianças de hoje o que significa o dia do Trabalhador?
Como explicar que não é só mais um feriado, que graças à proximidade do 25 de Abril serve apenas para se tirarem mini-férias (ou maxi) usando um minimo de dias úteis?
Como explicar o simbolismo que lhe está associado?

Aliás... alguém me explica o que é o dia do trabalhador?

Porque ... eu não sei o que é!
Related Posts with Thumbnails